Praceta Florbela Espanca: Terrenos ocupados por hortas vão ser consolidados

A União de Freguesias de Massamá e Monte Abraão apresentou ao presidente da Câmara, Basílio Horta, um projeto para a contenção de terras na Praceta Florbela Espanca, no Casal do Bico, em Massamá. A ideia é construir um muro de contenção das terras, obra que já tinha sido apresentada em Dezembro de 2015 ao mesmo autarca, aquando da sua segunda visita à freguesia, mas que nunca foi concretizada.

Mas desta vez parece irreversível. “Há aqui risco de derrocada e vidas em risco. A obra tem de ser feita”, disse Basílio Horta no passado dia 31 de Janeiro, quando fez a sua quarta Presidência Aberta a Monte Abraão e Massamá.

Basílio Horta deu o aval para se avançar com a contenção dos terrenos

Pedro Brás, presidente da Freguesia, explicou ao Comércio de Massamá e Monte Abraão, resumidamente, aquilo que se pretende fazer: “É uma intervenção preventiva. No Verão aqueles terrenos não são problema, mas no Inverno fica tudo ensopado com as águas das chuvas e o risco de ocorrer um deslizamento de terras é enorme. Pretende-se construir um talude de sustentação das terras, deslocalizar as hortas que ali existem e alisar o terreno de forma a criar um espaço ajardinado.”

Moradores não concordam

José Marta, de 68 anos, não concorda com intervenção

Apesar das boas intenções, há moradores que não concordam. Sobretudo os que residem no rés-do-chão e que são quem explora as hortas ali existentes. Garantem que vivem ali há mais de três décadas e que nunca houve qualquer problema. E temem mesmo que seja a intervenção agora programada que venha provocar uma tragédia.

José Marta, de 68 anos, um agente da PSP aposentado, explica os motivos da sua preocupação: “Estes terrenos sempre aqui estiveram e nunca houve nenhum incidente. Estão a arranjar uma complicação onde ela não existe e a gastar dinheiro dos fregueses de forma desnecessária. Porquê? Pelo simples facto de ser a vegetação que cresce de forma natural nos terrenos a conter as terras. Não é preciso ser engenheiro para perceber isso. Se retirarem daqui as hortas e as plantas naturais estas terras vão ficar instáveis e não há talude que as aguente. Vão formar um dique que, mais dia, menos dia, rebenta.”

Para este morador, a construção de um talude para conter as terras vai fazer com que perca qualidade de vida: “Oiça, eu tenho estas hortas à frente da minha casa e não incomodam ninguém. Passo aqui o meu tempo a cultivar uns alhos, a cuidar de um limoeiro e a plantar umas batatas. Quando construíram esses ‘mamarrachos’ em frente destes prédios, com mais de uma dezena de andares, é que se deviam ter preocupado. Mas naquele tempo dos pimentas e rendeiros, edites estrelas e afins fez-se tudo o que lhes apeteceu e nós é que pagamos a fatura dessa irresponsabilidade. Eu já quase não tenho sol na minha casa. Se fizerem o talude vou ficar na sombra o resto dos meus dias. Tenham juízo!.”

José Marta recorda que onde agora existem os prédios da Praceta Cesário Verde deveria ter nascido outro projeto: “Ali era para ter sido construído um parque urbano, com árvores, jardins e mesas de piquenique. Hoje é uma montanha de betão. Não matem ainda mais o Casal do Bico e não nos roubem o pouco sol que ainda temos.”

Antiguidade

O bairro do Casal do Bico é dos mais antigos de Massamá. Com ele apenas rivaliza o Bairro da Coopalme, o bairro existente junto ao Centro Comercial de Massamá (Japão) e, claro, toda a zona em redor do chafariz, na Rua Direita.  

Os prédios não ultrapassam os cinco andares e a maioria não tem elevador. Quase todos carecem de obras de recuperação. Os moradores são genericamente idosos. É uma zona sem problemas de segurança e onde ainda se vive em ambiente familiar. 

A construção da urbanização onde se situa a Praceta Cesário Verde transformou o Casal do Bico numa espécie de ilha. Mas é possível comprar pão fresco ou saborear comida caseira nos dois cafés/restaurantes ali existentes. E até registar boletins de jogo da Santa Casa de Misericórdia de Lisboa. Além dos prédios rasteiros, o bairro tem igualmente várias moradias e um campo para a prática de desportos. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *