O vício de cuidar dos outros

      Sem comentários em O vício de cuidar dos outros

Chama-se Francelino Gavela e há muito que deixou o meio século de vida para trás. Antes de se aposentar o seu trabalho era cuidar dos outros. Um enfermeiro que tratava de todas as maleitas, desde ferimentos mais ou menos graves, a simples mudanças de pensos ou administração de vacinas. Isto enquanto trabalhava no ramo, porque há dois anos já passava a vida em casa. Sobretudo no sofá, em frente da televisão. Sentia que a vida tinha perdido o rumo e o ócio estava a roubar-lhe o prazer de viver.

“Estava a definhar em casa. Sem nada para fazer. Isto foi a melhor coisa que me podia ter acontecido.”

Mas não há mal que sempre dure e surgiu uma janela de oportunidade. Soube que havia uma vaga para ser vigilante de uma escola em Massamá. Pedia-se alguém responsável e comunicativo. Que tivesse mais de 50 anos e disponibilidade. E Francelino candidatou-se ao lugar. E foi escolhido.

Desde 1997 que a sua vida voltou a fazer sentido: “Estava a definhar em casa. Sem nada para fazer. Isto foi a melhor coisa que me podia ter acontecido. Estou imensamente feliz e sinto que estou a ajudar as pessoas. Faço dois turnos, um de manhã e outro à tarde, ou seja, quando as crianças entram e saem da escola. É muito gratificante.”

Francelino tem por principal missão orientar o trânsito em frente da Escola Básica Nº 2 de Massamá, na Av. Aquilino Ribeiro. E ao início da manhã e final da tarde não tem mãos a medir. “São muitas crianças a chegar e apesar de haver uma passadeira mesmo em frente da escola há quem não a respeite. Até porque a confusão de trânsito é imensa. São os pais que vêm deixar os alunos e estacionam em segunda fila, as pessoas que vão para o trabalho e os autocarros sempre a passar em ambos os sentidos.”

No meio do caos, Francelino leva a sua missão a bom porto: “Respeito todas as pessoas e sinto que sou respeitado, porque sabem que estou a trabalhar para o bem comum. Quando estou a ser sinaleiro toda a gente respeita a minha sinalética e orgulho-me de nunca ter havido nenhum acidente em frente da escola desde que aqui estou.”

O caos no trânsito é uma constante na Av. Aquilino Ribeiro

Projeto pioneiro

Francelino é uma das caras de um projeto pioneiro entre as juntas de freguesia do concelho de Sintra. Foi lançado pela União de Freguesias de Massamá e Monte Abraão e chama-se “Programa de Vigilância em Contexto Escolar”. Tem como propósito atuar preventivamente na segurança das crianças que frequentam as escolas do 1º ciclo, nomeadamente nos períodos de entrada e saída dos alunos.

Além disso, segundo a Junta, “pretende-se ainda que o programa exerça um papel regulador junto da comunidade, garantindo um ambiente escolar mais seguro e uma circulação do trânsito junto às escolas, de acordo com as normas e diretrizes rodoviárias.”

Este programa resulta de uma parceria da autarquia com a Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Massamá (ARPIM) e com a Associação de Reformados, Pensionistas e Idosos de Monte Abraão (ARPIMA).

A seleção dos vigilantes foi feita em 2017 e pedia-se aos candidatos que fossem responsáveis, disponíveis, motivados, solidários e comunicativos e que tivessem gosto pelo trabalho em equipa. Ganham 3,50 euros por hora de trabalho efetivo realizado e todos tiveram formação e uma ação de sensibilização que foi assegurada pela Polícia de Segurança Pública (88.ª Esquadra de Massamá) e pelos Bombeiros Voluntários de Queluz.

O enfermeiro Francelino é que já não se vê a fazer outra coisa. Afinal, depois de passar uma vida a cuidar da saúde das pessoas, agora cuida da sua segurança. “É um vício”, diz entre sorrisos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *