Cuidados a ter quando escolher o seu animal de estimação

Um animal de estimação é um animal doméstico selecionado para o convívio com os seres humanos seja por companheirismo, divertimento, guarda ou defesa e ajuda.
A escolha em ter um animal deve ser sempre bastante ponderada e não tomada de impulso de modo a que seja a decisão correta e não haja arrependimento ou culpa tardio já que a existência de um animal de estimação em casa vem alterar um pouco as rotinas. Na realidade, ao ficarmos com um animal de estimação estamos a estabelecer um compromisso para a vida e a responsabilizarmo-nos pelos cuidados que devem ser prestados a um ser vivo que ficará dependente de nós.

Além do processo de “ter” um animal de estimação, não se pode esquecer que precisa de dedicar-lhe tempo para brincadeiras, cuidar da higiene do animal e da sua casa, levar a passear, levar ao veterinário, etc. Por isso, a decisão deve ser responsável e ponderada.

Devemos ter sempre em atenção, depois da decisão em ter um animal de estimação, que nem todos se adequam a qualquer pessoa. Seja pelo gosto pessoal, modo de vida e personalidade bem como pelos custos monetários, a sua escolha tem que obrigatoriamente ter em conta o estilo de vida do futuro/os dono/os e a dinâmica do lar. Os animais escolhidos rapidamente passam a ser um “membro da família”.

Os modos de termos um animal são a compra (presencial numa loja; no criador ou on-line), oferta ou adopção. Independentemente da sua escolha, todos os animais têm um período de adaptação ao novo lar e tutores.

Eis algumas das questões que podemos colocar antes de adquirir um animal de estimação:
– Tenho tempo para um animal de estimação?
– Tenho espaço para um animal de estimação?
– Quanto pode custar ter o meu animal de estimação?
– O animal de estimação escolhido enquadra-se na rotina da minha casa?

Depois respondermos a estas e outras questões relevantes na opção de ter um animal de estimação, podemos então conscientemente decidir.

Cães

São os mais comummente escolhidos. Existem várias raças mas também o chamado “sem raça definida”. Se optarmos por um cão é importante avaliar se o grau de atividade se adequa ao estilo de vida do novo tutor.
São animais brincalhões e afetuosos e por isso precisam de muita companhia. Precisam que se lhes dedique atenção seja nos passeios diários, alimentação, treinos de obediência, higiene e cuidados com o pêlo (em algumas raças), exercício (se forem cães de trabalho/guarda ou apenas necessitem de maior dispêndio de energia) e visitas regulares ao veterinário.

Gatos

Existem várias raças disponíveis mas o mais comum é o gato Europeu comum. São animais mais independentes mas bastante autónomos e carinhosos. Os gatos são naturalmente limpos. De um modo geral solicitam menos energia do tutor do que um cão.
Necessitam de cuidados de alimentação, brinquedos e arranhadores, medidas de proteção de janelas porque eles adoram saltar se algo lhes chama a atenção; um cantinho para colocar a caixa de areia para as suas necessidades, higiene e cuidados com o pêlo (em algumas raças); e visitas regulares ao veterinário.

Roedores

Destacamos as chinchilas, os coelhos, os porquinhos-da-Índia, os furões e hamsters. São animais divertidos, brincalhões e gostam de interação. Mas precisam de supervisão. De um modo geral e variando com a espécie, são animais de estimação que necessitam na maior parte das vezes de uma gaiola de tamanho adequado, já que como a classe os define são roedores e podem roer qualquer coisa em casa se deixados soltos. Não dispensam o exercício físico seja nos momentos em que sob vigilância são soltos, seja com alguns brinquedos disponíveis para o efeito. Precisam de alimentação específica para a espécie, cuidados de higiene regulares com o seu habitat e visitas ao veterinário.

Aves

As escolhas possíveis podem recair sobre os canários, periquitos, caturras e papagaios. De entre as várias espécies de aves existem as que são mais reservadas ou interativas. De um modo geral, alegram o espaço onde vivem com cantorias, alguns truques que podem aprender ou mesmo algumas palavras (dependendo da espécie). Necessitam de gaiola ou poleiros de tamanho adequado que devem ser mantidas limpas; de alimentação específica para a espécie e cuidados veterinários, ainda que sem grande periodicidade. São muito importantes as condições de maneio para não existirem/desencadearem problemas futuros.

Répteis

Entre as tartarugas aquáticas ou terrestres, iguanas ou serpentes a escolha é variável. São animais tranquilos mas precisam de muitos cuidados a nível de maneio. Ao pensar adquiri-los tenha em linha de conta a esperança média de vida de alguns deles (as tartarugas podem viver em média 50 anos) e a interação com outras espécies. Precisam de alimentação específica de acordo com a espécie.

Peixes

Os peixes não são animais que interagem muito com as pessoas. O seu custo inicial (habitat e escolha de vários exemplares) pode ser caro. Ter um aquário em casa além de a adornar pode ser útil por promover a diminuição de stress desde que se reserve algum tempo para o observar. Necessitam sobretudo da manutenção e limpeza do aquário e alimentação.

Vantagens de ter um animal

As vantagens compensam os gastos e algumas das preocupações em ter um animal de estimação. Algumas das vantagens de acordo com muitos estudos científicos e sociológicos prendem-se com:
– compreender o ciclo da vida: nascimento, reprodução e morte;
– reforço de auto-estima e capacidade de assumir responsabilidades;
– reforço de capacidades de comunicação;
– controlo da impulsividade/agressividade;
– fomento da prática de exercício físico (particularmente se for um cão que nos “obrigue” a passeá-lo na rua);
– redução de stress pela presença/contacto com eles;
– e, ainda, a possibilidade de fazer terapia com animais.
Em jeito de conclusão, não se esqueça de pensar bem quando escolher um animal de estimação. É um compromisso que poderá ter longos anos e se a sua vida mudar ou simplesmente mudar de ideias não poderá abandoná-lo. Os animais não têm culpa das mudanças de vida, ideia, de tempo ou de dinheiro. Além de tudo o que falamos anteriormente, se tiver AMOR para dar ao seu novo animal de estimação a sua casa será o melhor espaço para onde ele pode ir. Cuide bem dele e lembre-se sempre que ele irá exigir muita da sua atenção. A felicidade dele depende dos cuidados que pode dispensar-lhe.

Texto: Alexandra Afonso
Directora Clínica no Hospital Veterinário de Massamá

publicidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *